Câmeras de segurança serão instaladas em novos trens por todo o arquipélago

Segundo o Ministério dos Transportes, as operadoras ferroviárias em todo o arquipélago serão obrigadas a instalar câmeras de segurança em trens recém-construídos.

O motivo, segundo o governo, foi o ataque com faca a bordo de um trem de Tóquio em outubro passado.

De acordo com as medidas de segurança coletadas pelo governo, também será pedido às empresas que obtenham a compreensão e cooperação dos passageiros nas inspeções de bagagem, depois que uma lei revisada permitiu que os empresas comecem a realizar verificações de segurança a partir de julho deste ano.

A mudança ocorre depois que o Ministério de Terras, Infraestrutura, Transporte e Turismo trocou opiniões sobre medidas de segurança com as principais operadoras ferroviárias, incluindo a Japan Railways.

“As medidas de prevenção ao crime não foram necessariamente suficientes, já que as medidas existentes enfatizam a operação segura (trens) e a prevenção de acidentes”, disse o ministro dos transportes, Tetsuo Saito, em uma entrevista coletiva em Tóquio.

“Aprendendo uma lição com o incidente, estudaremos o desempenho das câmeras de segurança e arcaremos com os custos de sua instalação”, acrescentou Saito. O ministério disse que iniciará discussões sobre essas questões com especialistas e operadores de trem, possivelmente no final deste mês.

O ministério dos transportes estudará a revisão de um decreto sobre medidas de prevenção de desastres que instrui os operadores a tomar medidas de segurança contra incêndio, mas atualmente não contém requisitos sobre câmeras de segurança.

Enquanto isso, o governo vai considerar abrir uma exceção no caso de trens de um vagão onde a tripulação pode facilmente entender a situação, disseram funcionários do ministério.

Nas novas medidas, os operadores ferroviários terão que informar os passageiros sobre a localização dos botões de emergência e a solicitar que os utilizem sem hesitação numa situação de urgência.

Quanto às alavancas de emergência que permitiriam aos usuários abrir as portas manualmente, as empresas ferroviárias irão fornecer explicações sobre como manuseá-las e tornar suas funções mais fáceis de entender, já que podem interromper as operações do trem quando manipuladas, disseram as autoridades.

Os operadores de trens também devem realizar os exercícios necessários com a polícia para se preparar para um possível encontro com um agressor, disse o governo.

“Coringa de Tóquio”

Durante o ataque de 31 de outubro a um trem expresso limitado da Linha Keio em Tóquio, os passageiros pressionaram botões de emergência em vários locais dentro do trem, mas o maquinista não conseguiu se comunicar e compreender a situação devido a falta de câmeras de segurança.

Além disso, quando um passageiro acionou uma alavanca de emergência para fazer o trem parar de emergência na próxima estação, o maquinista acabou parando em um ponto ligeiramente atrás da posição de parada adequada, deixando algumas portas fechadas e fazendo com que muitos passageiros escapassem subindo pelas janelas do trem para a plataforma.

O incidente ocorreu após outro ataque com faca em agosto deste ano, quando um homem feriu 10 passageiros em um trem da Odakyu Electric Railway na capital.

Deixe um comentário